Se estiver mesmo afim de ler, dê um play.

É novembro
Ainda sinto a tristeza
A mesma que sentia anos atrás
Nem rosas e nem armas podem me consolar

E todo mundo precisa de um tempo?
Todo mundo precisa de um tempo sozinho
Já dizia o mestre
Meu tempo sozinho anseia pelo resto

Em meio a borbulhas de confusão
Passo a vida a procurar
Uma doce novembro pra me confortar
Com chuva por favor, quero o pacote completo

Os dedos tocam o aço vermelho
O som já não é mais o mesmo
O tempo passou, e suas habilidades também
Mas ainda insiste em tocar essa velha música que lhe machuca

Essa carapaça que você criou
Será um dia destruída?
Será que você merece tudo isso?
Pelo menos agora eu vejo/escuto o SOL(o)

De graça, a música é a única que não machuca
A única que guarda mais lembranças que uma foto
Pra min a música é uma matriz de lembranças
Lembranças de uma vida

Seguindo com apenas o que há de notável
Notas límpidas tocadas por um mestre
Vozes em coro dizendo que você terá um futuro
Eu sei que vc terá um futuro

E ai vem a questão
Eu gosto tanto de gostar
Que quando eu gosto só quero ver a pessoa feliz
Comigo, ou sem não importa

Só quero ver a pessoa feliz
Com sua vida
Com seu amor
Mas e o que restou de min?

Lembrança?
Será que resido na lembrança das pessoas?
E por que isso haveria de me preocupar?
Passar sem ser lembrado, é como não ter passado

Gostaria de ter feito a diferença
Ter mudado pelo menos um pensamento ruim
Ter ensinado pelo menos uma nota
Ter feito tudo o que era pra ser feito

Gostaria de ter feito.

Boa noite.